Avanço Tecnológico vs Meio ambiente - Parte 2

Você já pensou nestas perguntas quando o assunto é telefone celular ou dispositivo eletrônico?


- Em que ano comprou seu primeiro celular?


- Por quanto tempo ficou com ele?


- Você se lembra de quantos aparelhos já teve?


- Alguma vez pensou o motivo da troca de todos os aparelhos que adquiriu?


Certamente, você não é o único que não sabe responder todas estas perguntas. Por isso esse artigo é muito importante. Qualquer uma dessas vale para aparelhos eletroeletrônicos em geral e até mesmo para a compra de um carro, não é verdade?


Aqui você vai aprender como repensar uma compra de celular ou de algum outro dispositivo digital (até mesmo eletrodomésticos) e diminuir o consumo de aparelhos e acessórios desordenadamente, apenas por mera influência externa. Saiba que isso é uma forma de tentar ir contra a obsolescência programada que tanto falamos no artigo anterior.


Isso é muito sério: uma pesquisa realizada pelo Mobile Time/Opinion Box revela que os brasileiros trocam de aparelho celular em menos 3 anos. Mas saiba que repensar uma troca de aparelho é responsabilidade ambiental.


Com o avanço tecnológico ocorrendo muito rapidamente, os produtos ficam obsoletos talvez em poucos meses, fazendo com que aumente absurdamente a quantidade de lixo no planeta


Mesmo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos aqui no Brasil, ainda existe o grave problema do descarte incorreto tanto pelas empresas como pela sociedade em geral, infelizmente em todo o planeta. No entanto, isso é responsabilidade de todos!


Por isso, vamos abordar neste artigo:


- Como pensar o motivo da troca de aparelho?


- Substituição de software de segurança ultrapassado por “software livre”.


- Comparação de aparelhos antes de fazer a compra.


- Seja responsável ao descartar um dispositivo.

Entenda que nem sempre é necessária a troca do aparelho. Você já pensou nisso?


No entanto, a obsolescência programada “exige” cada vez mais consumo para girar a economia. Mas...

Como pensar o motivo da troca de aparelho?


Antes de comprar um aparelho novo, pense se realmente deve "se livrar" do antigo. O que te faz adquirir um novo modelo?


O seu trabalho exige um aparelho melhor? Maior capacidade de memória? Mais uma câmera? Ou é simplesmente a moda do momento? A cada dia que passa, os aplicativos estão ficando mais pesados, fazendo com que as pessoas precisem de mais memória e capacidade de armazenamento interno no aparelho para sustentar a demanda tecnológica.




Se o aparelho está com defeito, procure fazer um orçamento para saber se vale a pena consertá-lo em vez de comprar outro. Às vezes, pode ser um problema na tela por causa de uma queda, que dependendo do modelo, vale a pena consertar. Faça uns 3 orçamentos, pelo menos para ter uma ideia de preço.

Pode ser que o aparelho esteja muito sobrecarregado de arquivos inúteis (lixo virtual) e comece a travar. Limpe o cache. O CCleaner, que possui versão gratuita e paga, faz a limpeza de cache do celular ou do computador.


A grande maioria dos aparelhos mais recentes não têm bateria removível, com o argumento de que isso diminui o tamanho (peso) do aparelho. Logo, se der problema, é preciso ver, primeiramente, se está na garantia, fazer contato com o fabricante ou procurar um técnico de sua preferência.


Muitos acessórios como fones de ouvido, cabos ou carregadores genéricos têm pouca durabilidade e apresentam defeitos em poucos meses. O ideal é comprar na loja do fabricante para diminuir esse risco de descarte desnecessário.




E se o programa utilizado pelo aparelho simplesmente não tem mais atualização? O dispositivo vai parar de funcionar. Teoricamente, você vai ter que comprar outro, não é verdade? Mas existe uma opção diferente...


Substituição de software de segurança ultrapassado por “software livre”


Existem muitos aparelhos que se tornam obsoletos devido ao software que não tem mais atualização de segurança, ou seja, o aparelho foi programado já na fábrica para parar de funcionar e isso obriga o consumidor a adquirir um novo produto. Eis a obsolescência programada! No entanto, as pessoas que utilizam “software livre” driblam esta situação ao substituir o programa de fábrica. Em consequência, o produto antigo continua funcionando normalmente. E a compra de um aparelho novo torna-se desnecessária.

Compare os aparelhos antes de fazer a compra:


Aqui deixamos a sugestão de dois sites para você comparar produtos na hora da substituição de um aparelho antigo por um novo.


O site Tudo Celular faz comparação entre aparelhos do mesmo fabricante.


O Tech Mundo tem um comparador que mostra a ficha técnica de várias marcas e modelos por faixa de preço.


Quando pensar em uma compra, compare duas marcas, porque pode haver uma diferença de preço somente por causa do fabricante. Isso não quer dizer que você vai comprar qualquer marca que apareça no mercado sem pensar na procedência ou ver a avaliação do produto.


Como fazer uma troca mais “sustentável” do dispositivo?


Uma dica: pesquise o modelo de sua preferência também em sites de reclamação e faça uma análise da viabilidade de compra. Se você não tem muita noção da qualidade do aparelho, durabilidade, memória converse com um amigo ou técnico para aconselhar sobre a troca do dispositivo.


Já pensou em alugar um smartphone ou tablet?


Atualmente, existem empresas especializadas nesse tipo de serviço, você sabia disso?

Para o meio corporativo é uma boa opção, uma vez que a empresa não vai precisar fazer um alto investimento na compra de muitos aparelhos ao mesmo tempo.


Seja responsável ao descartar seu aparelho antigo:


Antes de descartar: certifique-se de que seus aplicativos, dados pessoais, arquivos estejam todos apagados e restaure as configurações de fábrica do aparelho para não haver risco de alguma pessoa se apropriar de seus dados pessoais.

Pode ser que, no local onde o aparelho foi descartado, existam pessoas que façam recuperação dos dispositivos com defeito e os vendam com um preço mais baixo, então, nunca é demais restaurar as configurações, não é verdade?




Faça um descarte de maneira correta. Não é porque atualmente existem grandes lojas fazendo promoções como “seu aparelho antigo vale um desconto na compra de um novo” que você vai simplesmente descartá-lo. Pode ser que você fique endividado à toa. Seja prudente.

Descarte dispositivos digitais e eletrodomésticos de maneira correta. Procure por empresas que recebam esse tipo de sucata. Não é clichê dizer que caçamba não é lugar de lixo eletrônico.


E, falando em caçamba, não se esqueça de que você precisa dar um destino correto ao entulho da sua obra de reforma ou construção! Que tal fazer um orçamento agora na Alugalogo?

Quer saber mais sobre sustentabilidade, dicas de construção civil e canteiro de obras? Fique ligado aqui no blog. Toda semana, um assunto novo para você!